A CANÇÃO IMANTADA DE HILDA HILST

Grupo de teatro EL RAYO MISTERIOSO

Grupo de teatro EL RAYO MISTERIOSO

O incrível não é Hilda Hilst ter gestado Júbilo, memória, noviciado da paixão. Na verdade é incrível, sim, quase um edifício milagroso. Mas, entretanto, o incrível também é Zeca Baleiro ter produzido o álbum com os poemas de de Hilda, musicados. Agora, o incrível mesmo, o milagroso vero, o inesperado, é Mônica Salmaso ter conseguido cantar a Ode descontínua e remota para flauta e oboé. De Ariana para Dionísio.
Pode ser encontrado lá no YouToba.

Tenho meditado e sofrido
Irmanada com esse corpo
E seu aquático jazigo

Pensando

Que se a mim não me deram
Esplêndida beleza
Deram-me a garganta
Esplandecida: a palavra de ouro
A canção imantada
O sumarento gozo de cantar
Iluminada, ungida.

E te assustas do meu canto
Tendo-me a mim
Preexistida e exata

Apenas tu, Dionísio, é que recusas
Ariana suspensa nas tuas águas

Inadmissível que não se ouça a Mônica Salmaso enquanto se lê o poema.
Inadmissível não se ler Hilda.
Eu comecei em 1985.