Sobre urubús, índios e a eterna impaciência dos jovens

don_t_be_shy_by_thetundraghost-d9362zu

Don´t Be Shy – by The Tundra Ghost – DeviantArt

 

─ O problema é que não sabemos mais hoje do que sabíamos ontem. Só que o ontem foi há dois mil anos! Aí é muita coisa prá não se saber.

O falante se calou. Era um urubú-gereba belíssimo. E muito culto, por sinal.

O velho índio ponderou.

─ Prá mim não tem esse negócio de mil, dez mil anos de experiência. Bobagem. Você aprende um ofício em um ano, atinge a excelência em dois, daí você só replica a coisa até a morte.

O velho índio calou-se, pensativo.

Usava uma também velha calça jeans. Sua tribo havia sido extinta já no descobrimento  e atualmente ele vivia em uma aldeia guarani em São Paulo, fingindo ser um guarani.

─ Espero que não estejamos aborrecendo você. ─ Disse educadamente o urubu-gereba para o garoto de doze anos, os encarando assustado na outra ponta do banco de jardim.

─ Você deve nos perdoar, já somos um pouco entrados em anos e as vezes nossa palestra pode ser arcaica…

─ Para não dizer estranha ─ completou o índio velho.

─ Sim, sim, mas não entenda mal, ─ disse pressuroso o urubu-gereba, eriçando uma pena ou outra. ─ Não sou gentinha, não senhor. Meu pai era garbosíssimo, um portento mesmo, eu diria.

E como se contasse um segredo. ─ E por muitos anos foi guia espiritual de inúmeras tribos do Brasil pré-histórico. ─ O velho índio piscou para o garoto e depois passou a olhar intensamente o céu. ─ Minha mãe, então…algum problema, Climério?

─ Nenhum, Romão, você me conhece.

─ Bem, relevemos.

─ Relevemos. ─ Secundou o velho índio.

O garoto se achegou mais ainda para a ponta do banco, ensaiando uma fuga.

─ Sem embargo, talvez você mesmo ache estranho ver um urubú falando… ─ começou, mas aí o garoto já estava em disparada e sumiu de vista.

O velho índio tirou um cachimbo velhíssimo do bolso traseiro das calças e começou a encher de fumo, na maior calma do mundo.

─ Dia destes a gente vai ser preso. ─ E meneando a cabeça.

─ Cê sabe, talvez não seja uma boa época para um pajé de dois mil e tantos anos e um urubú espiritual… ─ completou com uma baforada filosófica.

─ Vai se foder, Climério! ─ O gereba começou a alisar as penas do peito, amuado.

─ Além disso, eu sou da fauna nativa. Crime inafiançável, sabia?, mexer comigo.

─ Então tá.

Por via das dúvidas, saíram meio que correndo, meio que voando.

 

Anúncios

3 comentários em “Sobre urubús, índios e a eterna impaciência dos jovens

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s