RECEITA PARA DOMINAR O MUNDO

TIRANO

Não é fácil, esclareço de pronto. Existem concorrentes de peso conhecidos e, pior, os desconhecidos (sempre tem um maluco para competir com você). Mas, é possível. Para ser um bom dominador do mundo é preciso primeiramente atender a certos requisitos, não necessariamente todos e não necessariamente excludentes:

1- Você pode ser um cientista maluco, por exemplo. Um cientista genial a frente de seu tempo, com tendências paranoides acentuadas. E se você for obsessivo ao extremo,  sempre ajuda, mas convém tomar cuidado com os ajudantes. Principalmente se atenderem por Ígor;

2 – Ou, quem sabe, um mago dotado de poderes malignos que tenha algum objeto de poder mágico (uma joia mística que só funcione com o alinhamento dos planetas, um livro misterioso, essas coisas). Mais uma vez, também é preciso ter cuidados com os ajudantes;

3 – Existe uma variante do mago, que é a de pertencer a uma seita secreta com milhares de anos de existência cheia de segredos místicos e planos de dominação deste simplório plano físico. Também conhecida como variante Ctulhu (leia H. P. Lovecraft).

No caso de uma seita, é importante a presença de um líder com acesso a objeto mágico de manipulação do meio físico em nível planetário. É ainda necessário que a seita em questão seja antiga, com mitologias particulares bem sedimentadas de domínio e a crença num destino manifesto maior, conjugada a crença na sua superior capacidade de ditar os destinos humanos;

4 – ou você pode optar pela promissora profissão de Tirano Extragalático Do Mal Com Vontade De Estuporar O Planeta. Darth Vader; Ming, o impiedoso, você sabe.

Ainda no que tange ao tirano em potencial, também é possível que seja ele uma entidade supranormal ou, mais idealmente, uma entidade com capacidades super-humanas (Ver PROLEGÔMENOS PARA DOMINAÇÃO PLANETÁRIA, Dr. Gori, 1987).

Neste espectro de possibilidades poder-se-ia especular a título de exemplo, a ocorrência de entidades parafísicas com capacidades de manipulação mágica, tais como: demônios associados a maldições cósmicas, obscuros deuses(as) de culturas antigas e seus sacerdotes com expertise em magia negra, necromancia, teurgia, goecia, pactuação demoníaca de nível I, manipulação de planos extrafísicos, etc, etc.

Já foi inclusive provado que através do uso intensivo de hipnose telepática e preces fervorosas, torna-se factível, possível, influenciar às correntes históricas-padrão (Ver PSICO-HISTÓRIA COMO APLICAÇÃO, Jurgens, 2000), se consideradas como vetores Riemannianos em um sistema em retroalimentação.

Tal domínio, evidentemente, pressupõe uma vontade focal, vastos conhecimentos de Teurgia Pura, não se desconsiderando mesmo o uso da Goecia Quimbândica. Todo processo deve ser cuidadosamente velado, de tal forma que os agentes sociais e, principalmente, Deus, não encetem tentativas de frustrar as ações do dominador em potencial.

Entretanto, convém ao dominador do mundo novel ter sempre em mente que os dominadores de mundos geralmente se dão mal no final. Fu Manchu especula que tal tendência de queda abrupta na curva de domínio deva-se a uma lei ainda não adequadamente formulada que preveja o equilíbrio cósmico (Ver “O MAL COMO ECONOMIA: Um estudo de Atuações Maléficas como Vetores de Realidade – Fu Manchu, 1976).

Não, esse negócio de dominar o mundo não é uma boa ideia. Trabalhoso é pouco.

Certo, esqueça, torne-se um consultor ou uma consultora Jequiti e seja feliz de outro jeito.

Anúncios

MANUELZÃO E MIGUILIM: resenha suspeitosa

monge

 

Primeiramente, nos comecins, gostaria, não de acautelar aos incautos, mas de os tranquilizar. Não pretendo posar de erudito e as referências cheias de frescuras só tomam dois ou três parágrafos e se houver alguma coisa em inglês não se impressionem, que o inglês é língua de índio de filmes como bem sarrava Tom Jobim, que privava com os nativos, os anglófonos.

Então, vou no levinho, na maciota, no sapatinho. Prometo.

Bem, começo.

De Guimarães Rosa queria falar, ao sabor da cachaça, a propósito de um deslumbramento meu por conta de uma obra sua.

Manuelzão e Miguilin começa com citação de Plotino, filósofo neoplatônico do século II: “Num círculo, o centro é naturalmente imóvel; mas, se a circunferência também o fosse, não seria ela senão um centro imenso”.

Não há indicação ou referência da citação a Plotino, mas acredito que possa ser localizada no Segundo Tratado, Enéadas, no item primeiro do Circuito dos Céus. Minha referência vem de Great Books of The Western World, Plotinus, em uma edição sebenta, de capa dura, que tento manter longe das traças.

Há também uma citação de Jan van Ruysbroeck, chamado “o Admirável”, um místico belga do século XIII: “Vede, eis a pedra brilhante dada ao contemplativo; ela traz um nome novo, que ninguém conhece, a não ser aquele que a recebe”.

Não localizei a referência.

Todo esse introito aí é só para lembrar que João Guimarães Rosa era um monstro, “caba virado no capeta, transfigurado no setenta e metamorfoseado no Jiraya”. Sabia brincar não, o mineiro. Poliglota às próprias custas, aprendeu suas doze línguas de seu próprio labor, sem nenhum “Yázigi”, “Cambridge”, qualquer escola ou o escambau.

(Obrigado, Plínio Marcos, pelo “escambau”).

Pois bem, esse João Rosa aí era leitor das antiguidades, das gnoses, das filosofias, das místicas e tudo o mais. E como não sabia brincar, deu à luz, pariu a maravilha que é Manuelzão e Miguilim, que sempre releio ante um oratório, vestido de sacos, com cinto de pregos, em piedosa penitência.

São duas novelas, Miguilim primeiro e Manuelzão depois.

Pois, ora, vejam bem. Miguilim é um texto que consuma a ambição maior de todo escritor, que é conseguir dar voz a um outro. Um outro totalmente diferente dele, o que escreve, um outro vivendo em outro universo. No caso, uma criança, o Miguilim.

No texto, o mundo só é mundo através de Miguilim. Miguilim é narrado e narra. Narra aquelas coisas que nós, que já fomos crianças, sabíamos e depois esquecemos. As pequenas coisas, os detalhes, o miudim que falam do cosmos e Deus e da vida e da morte e do mistério.

O conto começa com Miguilim em viagem, com seu tio Terêz, voltando para casa, no Mutum. E no Mutum chovia sobremaneira e a mãe de Miguilim se condoía, sofria com a chuva onipresente.

O texto descrevendo a dor da mãe de Miguilim se torna úmido, escuro e nós conseguimos o milagre de partilhar a dor da existência da mãe de Miguilim.

Mas então Miguilim vem de viagem e traz um presente para a mãe. Um presente que lhe adoça a boca e o faz feliz por antecipação. Ora, e não é que um estranho tinha a dito a Miguilim que o mutum era um lugar bonito?

Então é que Miguilim traz o dito e pretende fazê-lo de presente à mãe. A mãe, quando ouvisse essa certeza, havia de se alegrar, ficava consolada.

Não riam, vocês já trataram com o invisível, com os átomos das coisas quando eram crianças e sabiam de seus altos valores.

As pequenezas, os quase não vistos, são esses os materiais que tecem a trama que cria e sustenta a eternidade e Miguilim é deusinho particular que os reúne.

Já Manuelzão é de outro naipe, o oposto.

Ali é a vida, os acontecimentos são apresentados virados em longas e intermináveis sequências, como uma boiada passando e passando e passando.

Manuelzão é vaqueiro, já idoso, com a vida repleta de lembranças, sejam mágoas, sejam alegrias.

E no inverno de seus dias se estabeleceu, montou o seu sítio em área inculta, trouxe a mãe, velhinha, e o filho que o odeia (e Manuelzão sabe).

E ali Manuelzão erigiu uma capela, a fez consagrar.

O conto é sobre a festa promovida por Manuelzão para a primeira missa na capela, dedicada à Nossa Senhora do Perpétuo Socorro.

Acorrem todos, moradores da região, os poderosos e os loucos.

O conto, circular, talvez mais pra helicoidal, foca em Manuelzão e daí discorre, se espalha, colhe sensações, desce ao íntimo das pessoas e volta para o exterior e sobrevoa a procissão da santa em andamento.

Trata da intimidade dos bois com o mesmo respeito que a dos loucos ali presentes, dos pobres sem qualquer arrimo, das coisas, volta, rodeia e torna a Manuelzão e assim, em circuitos que se repetem.

A imagem no altar sorria sem tamanho e desajeitada, uma Nossa Senhora feia…Manuelzão, ali perante, vigiava…blocos de cristais de quartzo róseo ou aqualvo…mesmo tinha viajado de vir ali, estúrdio, um homem-bicho, para vislumbrar a festa! O João Urúgem, que nunca ninguém enxergava no normal…passou-se resvés de um curral, donde se escutava o sopro surdo dos zebus, o bater de suas imensas cartilagens.

E a procissão caminhando, ladeira acima, no corpo da noite, a dupla fila de gente, a voz deles, todos adorando o que não viam.

Não atoamente o nosso João Guimarães Rosa nos dá o mote, a pista, ao citar o filósofo e o místico na epígrafe em seu opus, em seu par de romances alquímicos. Rosa nos adejou a mão, moveu o lenço em saudação (e creio que sorriu).

Manuelzão e Miguilim: um dos poucos e vicinais textos metafísicos de nossa novel literatura. A vida, o Ser, o mistério, está tudo lá.

Tremo em deferência, com matizes de biliosa inveja.

 

P.S.: Manuelzão existiu de fato, talvez não tão completo e no exato.

 

 

MUNDO, MUNDANO MUNDO.

ELEPHAS PRIMUS

 

Tudo é uma questão de escrever sem ter nada para dizer. Agora, arte mesmo é não dizer nada e escrever muito. Tipo eu, sujeito comum, péssimo bebedor de cerveja, opiniático e asqueroso. Tipo eu, aqui, bestando. Usando uma régua de cinquenta centímetros para coçar a frieira e pensando. Bestando. E pensando que tudo é uma questão de escrever sem ter nada pra dizer. De um tudo.

EU ME LEMBRO III

lullaby-for-butterfly-king-II

Lullaby for Butterfly King II – Michel Cheval

 

NINGUÉM TE SALVARÁ,

BÉTULA SEM CAULE,

NADA DE VENDAS HOJE

ZERO, PÁTINA EM MINHA BÍBLIA

 

(FOI EM ABU SIMBEL)

 

 

NINGUÉM TE RECITARÁ O CADISH

CAMPÂNULA CARENTE DE CARNE, SEDA PLANTADA EM CINZENTO, NAUFRÁGIO

TRAMASTE O FIM, SÓ ME  RESTOU A MEDUSA DO TEU CABELO

 

LEMBRAS?

EU VINHA COM AQUELE AMIGO EM UM DIA DE PEDRA

DRÁCULA NOS ESPERAVA NA BANCA DE JORNAL MAIS PRÓXIMA

NAVIOS ESPANHÓIS

BUCANEIROS À MESA RASGANDO MEU CORAÇÃO INGLÊS

E O NATAL ADIVINHADO NO BARCO ANCORADO NO CORREDOR DE PEDRA

SALVIA

DRAM-ISTABRACADIM

KHIAMAMADRA

FLASH GORDON

 

NO RELÓGIO DA TUA CABEÇA

TECEMOS O TEMPO EM TORNO DE MARGARIDAS

 

AH, EU AMAVA O COBRE VENTUROSO DO CAMINHO

O TELEVISOR SAGRADO, A COPA DO MUNDO

AS MANHÃS JAPONESAS

E O RISO DE MEU PAI VINDO PARA ME DIZER DO DIA

 

FRAGÂNCIA PRESA AO MEU NARIZ DE PEDRA

EU COLOCAVA UM AMIGO DEPOIS DO OUTRO EM CIMA DA MESA

E OS RECONTAVA

E OS AMOLGAVA NA MOENDA DE MINHA TREVA

CHICO EM MINHA CASA

EXPEDITO EM MINHA CASA

ALVIM AO MEIO-DIA

AS ESTRELAS NO FRIO DA MANHÃ

 

ERA DE NOVO O QUE ERA

KOMUSO COM A TIGELA

O GATO EM TRANSE

 

A TARDE E A NOITE

DOS VERÕES DE DEZEMBRO ME COLOCAVAM

ME SUSTINHAM

PENDENTE

 

AS MANHÃS FRAGANTES

UMA GESTA, UMA AVENTURA

 

Debbie-Bell-Artist-Owl-and-Pussycat1

Owl and the Pussycat – by Debbie Bell

 

Já faz algum tempo, meu Gabriel

Meu Gabrielzinho feito de bochechas e sorrisos

 

Já lá vai algum, olha como foge! Tempo

 

Minha última palavra ainda está lá, descansando

Para ser perturbada por trivialidades que teceremos

Como o gavião tece seu vôo na economia das termais

Como Deus à mesa, vinho no copo,

Como tua mãe no jardim (a tarde fria)

 

 

A MANSÃO SECRETA

 

Como tua mãe no jardim (a tarde fria)

 

 

( Neste momento existe o verde)

chegamos ao labirinto, Gabriel

 

Cai garoa, pára tempo,

Meu olho finalmente está só!, aproveitem!

 

Aproveita Gabriel,

põe tua mão em  minha mão

Mais um riso, por favor, olha a tarde peregrina

(como eu te falei, lembra? O momento ambarino aprisionado no gelo)

o tempo cai por uma fenda

e aí à nossa frente aquela poça se transmuta, água de prata domada pelo silêncio

e aí, neste lago no ventre da poça, vem a trirreme,

olha a marinhagem que nos saúda!

 

às margens (Um pé ficaria preso em seu tamanho diminuto, mas um navio não),

 

movimentos inesperados, suspiros de seda,

(é o dia que passa em sussurros)

desembarcam mercancias em nossa casa no verde da margem, feita de pedra e segredo, à espera

 

um Gabriel a verá

e verá também a este poema e o achará tolo, como deve ser

e não saberá então que fiz doação às fadas de um segundo de seu riso

e este sorriso estará esperando por Gabriel que crescerá e será sábio ou não

montará ou não em camelos azuis, verá ou não verá o Kilimanjaro

será herói ou não de um mundo essencial que carregar em seu coração

 

comporá ou não música em noites de júbilo

(verá ou não verá)

 

não é importante

para além dos símbolos, Gabriel é azul

e é infinito o jardim

 

eu até mesmo já encomendei de todas as regiões da terra

o tom de verde e segredo que o jardim esconderá

para o deleite de meu filho

para o deleite de meu Gabriel

que na Lua é principezinho

 

Não é natural então que eu ria?

 

 

 

TEÓPOLIS

artificial_sun_by_ahermin

Artificial Sun – by Ahermin / DeviantArt

 

E NA ALA VIP DO CÉU

OS TURISTAS CORREM COM OS DENTES

EM SANGUE

POIS É

EU ESTOU LÁ, SORRINDO!

 

FOTOGRAFO DEUS

PROTEGIDO POR QUERUBINS

E ESPERO O ARMAGEDON

ATRASANDO O EMBARQUE

 

É. DEUS DE MANHÃ

QUASE NÃO RECONHECI

SEM O RAY-BAN